Arquivo da tag: Santa Leopoldina

11º Caminho do Imigrante – Vila Velha, Sta. Leopoldina, Sta. Tereza (+110k)

A idéia original era fazer os 160km saindo e voltando de Vila Velha, mas no final… O celular quebrado e a esposa preocupada me fizeram pegar uma carona na volta. Então foram só 110km dessa vez.

Eu já havia feito um pedal parecido, saindo de Vila Velha até Sta. Maria de Jetibá e queria tentar fazer um longão hoje novamente.

Saí de casa as 3:30 da madrugada para encontrar a turma na praça da Garoto. Mais um encontro na Carlos Lindemberg e seguimos para o destino. Foram aproximadamente 2:30 de pedal desde minha casa até Sta. Leopoldina. Um frio danado… o garmin marcava 13,3ºC, mas com as descidas a 50km/h a sensação era muito menor. Foi muito legal ir encontrando os colegas e amigos de pedal nos carros durante a ida. Sempre que uma buzina era tocada, dava mais força e gás para chegar logo.

O clima na largada estava demais. Muita gente animada, muitas bikes, diferentes grupos de pedal… O legal de um evento desses é encontrar os amigos que há tempos não vemos e fazer novas amizades.

DSC00417 (Cópia)

Logo na chegada em Sta. Leopoldina

 

DSC00415 (Cópia)

Concentração das bikes.

 

DSC00414 (Cópia)

Encontrando com os amigos na área da concentração.

 

DSC00413 (Cópia)

Carbohidratos para o início da jornada (aipim, batata doce, inhame cozido, etc.)

 

Depois desse café da manhã e um rápido descanso, saí antes do pessoal com destino a Sta. Tereza. Fiquei surpreso com a primeira ladeira de 4km. Ano passado ela parecia bem maior, mais cansativa e desafiadora. Na época parei umas quatro vezes para descansar… hoje tirei ela de letra. Tudo bem que fui bem devagar, pois até então a idéia era voltar todo o trajeto de bike.

Durante o caminho, vários locais agradáveis, conversas e brincadeiras “sadias”. O único senão foi o excesso de veículos subindo a serra, o que tornou essa parte um pouco perigosa para os menos desavisados.

DSC00425 (Cópia)

Foto do pessoal do MTBeer em uma das paradas de água.

 

DSC00423 (Cópia)

Essa brincadeira sempre faz parte dos pedais.

 

DSC00420 (Cópia)

Isso aí é o que disse sobre os carros tirando fino.

 

DSC00419 (Cópia)Parada para foto em frente à Cachoeira Véu de Noiva.

 

DSC00418 (Cópia)

Essa casinha é linda e nunca me canso de admirá-la. Fica na margem da estrada.

 

Chegando em Sta. Tereza, fomos direto para o Bar Elite. Um reduto tradicional da Bohemia local. Eles tem uma cerveja muito gostosa e uns petiscos maravilhosos! Vale a pena conferir… A decoração do local é linda e remete aos tempos das décadas de 50/60.

DSC00429 (Cópia)

Bár Elite (assim mesmo… Bár).

 

DSC00428 (Cópia)

Esses baleiros da Garoto são raros e difíceis de serem encontrados.

 

E pedal do MTbeer que se preze, sempre termina com alguma cerveja gelada…

DSC00427 (Cópia) DSC00430 (Cópia) DSC00431 (Cópia)

 

 

A cidade é linda, calma, bucólica com pracinha e homenagem aos combatentes da 2ºGuerra (como muitas cidadezinhas do interior do Brasil). Claro que não podia deixar de registar isso.

DSC00432 (Cópia) DSC00433 (Cópia) DSC00436 (Cópia)

 

Gostou do post? Tem alguma crítica ou sugestão? Entre em contato por e-mail ou nos comentários aí embaixo.

Não esqueça de curtir e compartilhar a página nas redes sociais.

Bons pedais,

 

WK.

 

Distância total: 112.56 km
Velocidade média: 22.51 km/h
Tempo total: 08:41:12
Baixar arquivo

Vila Velha x Cariacica x Sta. Leopoldina x Sta. Maria de Jetibá (+150km)

Há tempos queria fazer esse circuito… Pretendia bater meu recorde de 145km num dia e planejei esse com aproximadamente 170km (no final foram 177km). Até então meu maior pedal havia sido na viagem entre Conselheiro Pena e Ponto Belo (MG), com 146km.

Acordei no sábado (25/01/14) por volta das 03:30 da madrugada. Arrumação pro pedal e sai de casa aproximadamente as 4:30 com destino a Sta. Maria de Jetibá.

Café tomado, mochila pronta, parti. Andar pela cidade de madrugada é interessante. Os butecos todos lotados, cheiro de cerveja no ar, pessoas gritando, pegação nas esquinas. Segui firme e forte num ritmo acelerado até Cariacica Sede, para poder fugir o quanto antes das vias mais movimentadas. Queria pegar logo o asfalto em direção à serra.

Parada rápida para a primeira foto do dia e o sol começou a apontar no horizonte. O asfalto estava maravilhoso, com poucos carros nos dois sentidos, friozinho gostoso e completamente sem vento. Até então esse trecho não mudou nada desde a semana passada (o relato desse pedaço está aqui).

Logo na entrada da cidade de Leopoldina existe uma casa que oferece o serviço de Cama e Café (literalmente isso), onde os turistas se hospedam para pernoitar. Tirei fotos do local e da placa com o telefone (que estarão logo abaixo na galeria de fotos).

De Leopoldina em diante, começou a subida da serra. Um asfalto super tranquilo e bonito. Dezenas de pequenas fontes de água para ajudar a matar a sede. Desde pequenas bicas até algumas cachoeiras menores. Essa primeira etapa (de Leopoldina até a represa de Suissa) tem aproximadamente 8km de subida.

Mesmo depois da hidroelétrica as subidas não param! O bom é que a inclinação raramente passava dos 8%-10%, tornando o passeio bem suave.

Ao longo do caminho muita sombra, alguns bares/padarias para aliviar a fome e sede. O melhor deles é o Restaurante dos Japoneses. Pessoal super atencioso com várias opções.

Passando o Restaurante dos Japoneses, (mais subida) encontrei a Barragem da Usina Hidroelétrica de Rio Bonito já na metade do caminho entre Leopoldina e Jetibá. A partir daí o terreno fica mais plano, o esforço diminui e podemos passar alguns quilômetros às margens da lagoa formada pela barragem da hidroelétrica.

Um fato que chamou a atenção foram as várias quedas de barreiras ao longo da via causadas pelas chuvas do final do ano. Em quase todas elas, existiam máquinas e pessoas trabalhando na contenção das encostas.

A chegada em Jetibá foi legal. Metade da missão havia sido cumprida (mas faltava voltar tudo de novo).

garmin

Um fato curioso da cidade é o cheiro constante de galinheiros no ar… A cidade é uma grande produtora de ovos aqui no estado, e a quantidade de granjas de galinhas nos arredores é muito grande.

Um breve descanso no posto de gasolina local, mais um repositor eletrolítico e pronto pra descer a serra.

A descida foi bem mais rápida. Fiz um pit stop para almoçar em Leopoldina e segui viagem. Cheguei em casa por volta as 17:30 (no total foram aproximadamente 13 horas de viagem, sendo 10:20 em movimento).

Nesse pedal consumi uns 6,5 litros de água pura, 1,5 litros de repositor eletrolítico e 1,6 litros de suplementos com água (VO2 em pó, Glutamina e Atomic 7 – tudo com recomendação de nutricionista esportiva).

E que venha agora o pedal de 200km!

Distância total: 113.13 km
Velocidade média: 23.09 km/h
Tempo total: 07:24:09
Baixar arquivo

 

Os detalhes técnicos do pedal (calorias, altimetria, distância, tempo, etc) estão aqui.

 

Trilha sonora da viagem:

Papo de Gordo 125 – Especial de aniversário volume 5

Radiofobia Classics #07 – The Smiths

Cabaré Cast 72 – Filmes a dois com gestos obcenos

Na Porteira Cast 35 – Legendas não oficiais

Papo de Gordo 126 – Perdão

Papo Lendário #93 – A Mitologia

MRG 204: O pedinte pediu – Lobo entre as focas

Nerdcast 398 – A Era dos dinossauros

 

Seguem as fotos do dia…